DEPOIMENTOS

Além dos depoimentos em vídeo acima, mais de 300 participantes já deram seus relatos sobre suas experiências nos Retiros de Meditação no Espaço Presença, com Nisargan. Confira abaixo!

+ de 300 Depoimentos

Daya

Se eu não tivesse sido tão feliz aqui, não teria voltado.

(segunda participação)

Gisele Mera Spada

Surpreendente!

Sonia Fornazari Pires

Cheguei sem nenhuma expectativa e recebi um presente!

Caio Rodrigues

A imersão foi ótima, reveladora!

Humberto Scarazatti

Tudo foi incrível,

Júlio César Nogueira de Assis

Foi muito bom mesmo.

Juliana Ribeiro de Melo

Voltarei mais vezes.

(segunda participação)

Glauston Roberto Teixeira de Lima

O lugar é absolutamente adequado: é lindo, é aconchegante, é inspirador.

Leila Mendes da Rocha

Foi, em primeiro lugar, prazeroso,

(quarta participação)

Trechos de Depoimentos
e Imagens do Espaço Presença

WhatsApp WhatsApp

Meditação Nataraj do Osho

 

Nataraj significa "deus da dança"! Nela, o “manipulador” ou o “controlador” de nós mesmos é convidado a desaparecer, isto é, devemos procurar deixar de lado a nossa mente com os seus padrões do que é ou do que deveria ser uma dança “normal”. Aqui, não existe normal, ou melhor, tudo é normal, aceito e bem-vindo (desde que, naturalmente, a pessoa evite qualquer dano a si e a eventuais companheiros de Meditação, bem como evite estragar os objetos à sua volta).

Esta Meditação é um profundo respeito ao que é espontâneo! Ela dura uma hora e cinco minutos, e é dividida em três estágios: o primeiro de quarenta minutos, o segundo de vinte minutos e o terceiro de cinco minutos.

Primeiro estágio: Dança (40 minutos)

Mergulhe na dança! Desapareça como ego, como controlador, como manipulador! Deixe que impulsos interiores dominem os movimentos; seja possuído pela dança! E curta, divirta-se, brinque... Encare esta Meditação como uma brincadeira de sua bioenergia.

Lembre-se: um corpo solto, livre de amarras e bloqueios, é o templo ideal para a autêntica serenidade interior!

Se você ficar no mesmo lugar, mantenha os olhos fechados; se você se deslocar, abra os olhos levemente para evitar esbarrar em coisas ou pessoas, se estiver meditando com pessoas e, nesse caso, não interaja com ninguém.

Permita que qualquer manifestação de dança aconteça, desde a mais selvagem até a mais suave. Não force nada, nem para o suave nem o selvagem. Saiba apenas que o “selvagem” autêntico é a melhor preparação para o “suave” autêntico. Assim, permita que a força de suas raízes se manifeste para que a fragrância de suas flores naturalmente se dissemine.

Segundo estágio: Imobilidade (20 minutos)

Com os olhos fechados, deite-se de barriga para cima e fique imóvel.

Mantenha-se presente, tanto para sensações de seu corpo, sons, etc., quanto para o que estiver acontecendo em sua mente, como pensamentos, sentimentos... Não se identifique com nada. Seja apenas a testemunha!

Este estágio não é acompanhado de música; assim, haverá um intervalo de silêncio de vinte minutos, após o qual começará outra música, indicando o início do terceiro estágio.

Terceiro estágio: Dança (5 minutos)

Dance novamente, agora em sintonia com a suave música deste estágio. Esteja presente!

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Nadabrahma do Osho

 

“Nadabrahma” significa “Som Divino”.

Esta Meditação pode ser praticada em qualquer horário e é dividida em três estágios: o primeiro de trinta minutos e os dois últimos de quinze minutos cada um.

Como todas as meditações do Osho, ele pode ser praticada individualmente ou em grupo.

Primeiro estágio: Humming (30 minutos)

Sentado confortável e relaxadamente de olhos fechados, provoque uma vibração audível, grave e agradável nas cordas vocais através do som “ummm”, mantendo os lábios encostados um no outro o tempo todo.

A tendência é sentir o corpo todo vibrar suave e relaxadamente. Não é um mantra, pois não se articula nenhuma palavra; é mesmo uma vibração audível.

Para que essa vibração ocorra mais facilmente, é melhor inspirar o mais fundo possível, e durante toda a expiração permitir que essa vibração audível aconteça.

Nos primeiros momentos deve-se provocar essa vibração audível, mas depois de iniciada deve-se permitir que todo o processo continue por si mesmo, e você passa a ser o observador dele.

Permaneça perceptivo ao aqui e agora o mais que puder, seja lá o que for! Para interromper os pensamentos que fatalmente irão acontecer em sua mente durante o processo, pegue em flagrante os que surgirem e simplesmente volte sua atenção a qualquer elemento do aqui e agora que espontaneamente lhe chamar a atenção sem se importar com esses pensamentos.

E, se você estiver praticando o Humming em grupo, não queira seguir o ritmo de ninguém, e sim, siga o seu próprio. Se acontecer de o corpo “acompanhar” a vibração com movimentos, permita que ele o faça suave e lentamente.

Os efeitos benéficos do Humming são diversos:

- por ser um processo que exige uma expiração prolongada, há uma ativação do sistema nervoso parassimpático (todo processo que prolonga a expiração faz isso), e devido a esta ativação relaxamos o corpo e serenamos a mente.

- devido à inspiração ser profunda e a expiração prolongada no Humming, há um alongamento da respiração. Após o Humming, se observarmos, verificaremos que nossa respiração natural está mais ampla e profunda do que nossa respiração antes do Humming, o que é imensamente benéfico para nossa vida em geral.

- devido à vibração uníssona que o Humming provoca em todo o corpo, suas células entram em harmonia entre si por estarem sob a influência dessa mesma vibração.

- e enquanto praticamos o Humming, é fácil treinarmos nossa consciência a estar no aqui e agora, e esse treino é o benefício maior que a estratégia pode trazer!

Segundo estágio: Movimentos Circulares dos Braços (2 x 7,5 minutos)

Interrompe-se a vibração, coloca-se ambas as mãos com as palmas para cima, mais ou menos em frente do umbigo, e por sete minutos e meio a mão direita executa um movimenta circular do lado direito, e a mão esquerda um movimento idêntico do lado esquerdo. Estes círculos se iniciam dirigindo-se ambas as mãos para frente, e então elas se separam para fazer dois círculos amplos, um à direita e outro à esquerda. Os movimentos das mãos devem ser bem lentos, podendo até dar a impressão de elas estarem paradas.

Nestes sete minutos e meio, sinta que você está doando energia positiva, ou Presença, para o Universo.

Após sete minutos e meio, nota-se que a música muda levemente e, com isso, volta-se as mãos para a altura do umbigo, desta vez com as palmas para baixo.

Novos círculos são realizados, mas com direções opostas às anteriores. A mão direita fez o círculo no sentido horário, e agora faz no sentido anti-horário; a mão esquerda fez o círculo no sentido anti-horário, e agora faz no sentido horário.

Esta fase também tem a duração de sete minutos e meio e, durante este período, sinta que está recebendo energia positiva, ou Presença, do Universo.

Não faça esses movimentos, e sim, testemunhe-os!

Durante todo este estágio, pode acontecer de o restante do corpo querer “acompanhar” as mãos com movimentos leves. Se esse for o caso, permita.

Terceiro estágio: Imobilidade (15 minutos)

Pare com todos os movimentos e por quinze minutos permaneça sentado com a coluna vertebral ereta e a cabeça alinhada com a coluna ou, se preferir, deite-se com a barriga para cima. Não há música neste estágio, apenas gongos ao final.

Lembre-se, seja sempre o observador desidentificado de tudo, inclusive dos pensamentos que passarem por sua mente!

E lembre-se também, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Gourishankar do Osho

 

Segundo Osho, se a respiração do primeiro estágio desta Meditação for feita corretamente, a pessoa fica tão “alta” quanto o Gourishankar (uma das montanhas mais altas dos Himalaias).

Esta Meditação é dividida em quatro estágios de quinze minutos cada um. O melhor período para realizá-la é à noite.

Primeiro estágio: Prender a Respiração (15 minutos)

Sentado confortavelmente com a coluna vertebral ereta e alinhada com a cabeça, de olhos fechados inspire profundamente pelo nariz e prenda a respiração pelo máximo de tempo possível. Depois, expire gentilmente pela boca todo o ar dos pulmões e novamente prenda a respiração pelo máximo de tempo possível. Essa sequência deve se repetir por quinze minutos.

Procure acompanhar tudo o que estiver acontecendo com a sua consciência.

Segundo estágio: Olhar Suave Para... (15 minutos)

Retorne à respiração normal, abra os olhos e olhe suavemente para a chama de uma vela. Pode-se olhar também para uma luz estroboscópica azul. A música deste estágio tem uma batida sete vezes mais rápida do que o ritmo cardíaco normal, e se você estiver olhando para uma luz estroboscópica, esta deve estar sincronizada com a mesma frequência das batidas.

Permaneça com o corpo imóvel e procure manter-se perceptivo ao que está acontecendo momento a momento.

Terceiro estágio: Latihan (15 minutos)

Com os olhos fechados, levante-se e deixe o seu corpo o mais solto possível. Permita que movimentos suaves e espontâneos aconteçam em seu corpo. Você não deve fazer esses movimentos, e sim permitir que eles aconteçam.

Coloque-se receptivo, como que permitindo que uma leve brisa lentamente movimentasse o seu corpo, como que permitindo que uma delicada nuvem lentamente movimentasse o seu corpo, como que permitindo ser possuído por uma energia divina e sutil, além do seu controle, que conduz os suaves movimentos de seus braços, mãos, pernas, cabeça... Entregue-se a esses movimentos que acontecem por si mesmos e seja apenas a testemunha deles.

Esses movimentos, como os de uma dança muito lenta e delicada, têm o nome de Latihan. Em si, o Latihan é uma das Meditações mais profundas que existem, e pode-se considerar os dois primeiros estágios da Meditação Gourishankar como uma das preparações para ele.

Quarto estágio: Imobilidade (15 minutos)

Mantendo os olhos fechados, deite-se com a barriga para cima e permaneça imóvel. Não há música que acompanha este estágio.

Esteja presente, pois estar presente é o propósito de toda e qualquer Meditação. E mobilize-se a levar esta Presença para o seu cotidiano, mais e mais!

Lembre-se: a única distração ou dispersão é embarcar em pensamentos, perdendo assim a atentividade à realidade presente. Ocorrendo essa dispersão, assim que a notar interrompa os pensamentos ruminantes e volte a sua perceptividade ao que está acontecendo no momento presente, interna ou externamente!

E lembre-se também, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Vipassana do Osho

 

Essta Meditação consiste apenas em estar consciente de todo o processo da respiração, sem alterá-lo. Enquanto o ar entra, a pessoa acompanha essa entrada com a sua consciência; o ar para de entrar, há uma pequena pausa, e a pessoa testemunha este momento também; enquanto o ar sai, a pessoa acompanha essa saída com a sua consciência; o ar para de sair, há uma pequena pausa, e a pessoa testemunha este momento também.

Testemunhar a respiração não é apenas estar consciente dela, mas também não a programar; assim, você não programa como e por quanto tempo vai ser a sua inspiração, a sua expiração e as paradas entre as mesmas, e sim, apenas percebe o que está acontecendo por si mesmo.

Há algumas possibilidades para os “pontos de observação da respiração”, isto é, pode-se perceber a respiração a partir da passagem do ar pelas narinas, a partir das sensações do abdômen, da garganta ou de qualquer outro lugar que lhe seja fácil observá-la. Lembre-se: o que lhe for fácil é o correto para você! Na dúvida, siga uma sugestão geral: acompanhe a sua respiração a partir do abdômen.

O tempo para esta Meditação varia conforme sua disponibilidade, facilidade e vontade, indo normalmente de cinco a quarenta minutos.

É melhor evitar praticá-la logo depois de comer ou antes de dormir, e a melhor posição é a sentada com a coluna ereta e a cabeça alinhada com ela, os olhos fechados e o corpo imóvel.

O ideal é praticá-la todos os dias no mesmo horário e no mesmo local.

Continuamente a pessoa mantém a consciência na respiração, porém Vipassana não é concentração; assim, se outro elemento do aqui e agora passar a ser espontaneamente o foco de sua perceptividade, como sons, outras sensações corporais, etc, permita-se manter-se atentivo a esse novo foco, mas sempre que lhe for fácil escolher, volte sua perceptividade para a respiração!

Estando perceptivos a qualquer aspecto da realidade, seja interna ou externa, do ponto de vista da Meditação não estamos ausentes. Na Meditação, o importante é estar perceptivo, não importa a quê. Mas quando embarcamos em pensamentos, aí sim a ausência se instala.

Como foi ressaltado, na Vipassana o importante é ser a testemunha das sensações relacionadas à respiração, porém esta é apenas a metade da história. A outra metade é se dar conta dos pensamentos que interferem neste testemunhar, e isso significa realmente identificar quais são esses pensamentos! Após identificá-los, interrompa-os, sejam eles quais forem, e volte a sua consciência para a respiração!

Quando essa Meditação é praticada por períodos longos, após trinta a sessenta minutos de Vipassana há a recomendação de fazer o “Caminhar do Vipassana”. A pessoa lentamente se levanta e passa a caminhar muito, muito devagar, olhando sempre para baixo até uma distância de um metro e meio no máximo. Agora, o ponto de referência para a sua consciência deixa de ser a sua respiração, e uma sugestão é que seja agora as sensações de seus pés ao tocarem o chão. O tempo desse caminhar novamente varia com a disponibilidade e vontade do meditador, geralmente ficando entre cinco a vinte minutos. E, novamente, não se trata de se concentrar nas sensações dos pés ao tocarem o chão; assim, se outra coisa lhe chamar a atenção, deixe que a sua perceptividade a acompanhe, mas sempre que lhe for fácil escolher, volte a consciência para as sensações dos pés ao tocarem o chão!

“Se você tornar bastante lentos os seus movimentos, seus movimentos mentais também se tornarão bastante lentos” (The Sound of Running Water, Osho, pg. 308).

“Primeiro você precisa dançar, pois na dança a sua couraça cai; primeiro você precisa gritar de alegria e cantar, para que a sua vida fique mais vital; primeiro você precisa fazer catarses, para que tudo o que você reprimiu seja jogado para fora e seu corpo seja purificado das toxinas e dos venenos, para que a sua psique também seja purificada dos traumas e das feridas. Quando tudo isso já aconteceu e você se tornou capaz de rir e amar, então a Vipassana!” (O Livro Orange, Osho, Editora Cultrix)

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Os valores da Inscrição para os Retiros de Meditação no Espaço Presença têm algumas variáveis, dependendo de alguns fatores:

  • Acomodação escolhida.
  • Vir sozinho/a ou trazer uma ou mais pessoas. 
  • Trazer ou não trazer roupa de cama de solteiro (lençol de baixo, de cima e fronha) e toalhas (banho e rosto).
  • Pagamento integral à vista no ato da reserva ou parcelado.
  • Número de dias da imersão.
  • Ter ou não já participado de um Retiro no Espaço Presença.

As acomodações no Espaço Presença normalmente são para duas ou três pessoas, mas é possível ficar sozinha/o em uma acomodação originalmente dupla, e o valor é o normal para aquela acomodação, mais 80% do valor referente à outra vaga daquela mesma acomodação.

É possível também optar por um Retiro solo (apenas um participante), escolhendo datas de sua preferência fora as já agendadas, consultando-nos sobre nossa disponibilidade para elas. 

As diretrizes e orientações para este Retiro ficam a cargo de Nisargan, portanto, não se trata de uma imersão em que a própria pessoa determina qual será o seu cronograma. 

O período mínimo é o equivalente a um final de semana (das 15hs de sexta-feira até às 14hs do domingo), correspondendo, nesse caso, ao valor de 3900 reais, incluindo o Retiro em si, a acomodação e a alimentação. Querendo ter mais dias de imersão para obter maior aprofundamento, acrescentar 1000 reais por dia.

Em caso de desistência de participação após realizado o pagamento, há algumas possibilidades:

– O valor depositado será devolvido integralmente no caso da/o desistente substituir sua participação por outra pessoa (ainda não inscrita) para o mesmo Retiro em que havia se inscrito.

– O valor depositado será válido para uma imersão posterior no Espaço Presença. Havendo diferença de valores entre as duas imersões, as devidas correções serão feitas (pagando ou recebendo a diferença). A inscrição para um Retiro futuro agendado deverá acontecer até 3 meses da data do Retiro em que havia se inscrito. Feito isso, caso desista novamente após essa sua segunda inscrição, não terá mais direito a outra transferência de imersões e não terá o valor devolvido.

– No caso da/o desistente querer receber o valor de volta, haverá uma taxa de 30% sobre o valor depositado se a desistência ocorrer até 72 horas do início da imersão. Desistências ocorridas em menos de 72 horas do início da imersão ou durante a mesma não terão devolução do valor depositado.

Meditação do Riso do Osho

 

Uma das grandes ênfases desta e de outras Meditações ativas é levar-nos de volta, com consciência, à nossa espontaneidade, à nossa inocente e pura autenticidade, sem os falsos conceitos de maturidade e superioridade que a nossa educação nos impôs.

Não há necessidade de haver som de fundo nesta Meditação.

Primeiro estágio: Riso

Pelo tempo que lhe for conveniente, ria, ria, gargalhe, gargalhe... Coloque para fora a energia acumulada nos muitos momentos de riso que você deixou de expressar e até mesmo de perceber no passado.

Não há necessidade de encontrar motivos para gargalhar, mas se quiser, encontre-os, e motivos não faltarão, pois conforme o ângulo que você observa, suas preocupações são risíveis, suas frustrações são risíveis, seu ego é risível...

Esteja consciente de seu riso, dos movimentos de seu corpo que acompanham o riso; ponha sua consciência nas sensações de sua gargalhada! Perceba tudo o que estiver acontecendo com você!

Não se preocupe em julgar se a sua risada está sendo ou não falsa, estereotipada ou teatral. Isso não importa; o que importa é você estar consciente dela! E se surgirem julgamentos, tome-os como um excelente motivo de riso!

É bom manter os olhos fechados, para que você se conecte melhor com a energia que vem de dentro de si, mas você pode abri-los e observar os outros rindo (caso esteja fazendo a técnica em grupo) e/ou fazer “macaquices”, se para você isso estimulá-lo a rir mais. E você pode simplesmente brincar com você mesmo, escancarando a boca e soltando sons gargalhantes ou engraçados de qualquer tipo.

Algumas pessoas preferem ficar deitadas com a barriga para cima, pois sentem que isso ajuda a relaxar os músculos relacionados à risada; outras gostam de se cobrir com um lençol e segurar as pernas no ar. Mas você pode ficar sentado, em pé, engatinhar, andar... qualquer coisa, mas não pare de rir.

Há um som que Osho recomenda soltar para estimular a risada, principalmente quando o seu “pique” de rir estiver em declínio; é melhor soltá-lo alto, e ele é “Yahoo!!!” (em português: iaruu!!!). Grite o som “Yahoo!!!” e perceba os efeitos que ele lhe provoca (essa dica do Osho foi dada antes do surgimento da empresa Yahoo).

Quando o riso vier de suas entranhas, observe: a sua mente está tranquila!

É muito importante reconhecer o fato de que manter-se em estado de seriedade é uma doença muito nociva. A seriedade é prejudicial a quem a tem e a quem está à volta.

Este estágio, além de escoar energias estagnadas, tem o poder de ajudar na recuperação de nossa capacidade natural de rir, e isso resulta em saúde física, psicológica e espiritual!

Segundo estágio: Silêncio

Pelo tempo que lhe for conveniente, de olhos fechados, sente-se com a coluna vertebral ereta e a cabeça alinhada com ela e permaneça imóvel.

Estes são os momentos em que você pode atingir o seu ápice de Presença. Encontre a sua maneira de manter-se no aqui e agora, seja focando a sua percepção nas sensações corporais, na respiração, nos sons do ambiente, ou simplesmente mantendo-se consciente sem um foco específico.

Lembre-se também de que em essência nada da realidade interna e externa deve ser considerado como distração, pois o importante é perceber, até mesmo o chamado “distúrbio”. A única distração ou dispersão é embarcar em pensamentos, perdendo assim a atentividade à realidade presente. Ocorrendo essa dispersão, assim que a notar interrompa os pensamentos ruminantes e volte a sua perceptividade ao que estiver acontecendo no momento presente, interna ou externamente!

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Kundalini do Osho

 

Esta Meditação é considerada como parceira da Meditação Dinâmica. Enquanto o horário recomendado para praticar a Dinâmica é ao amanhecer, para praticar a Kundalini é ao entardecer, embora ambas possam ser praticadas em qualquer horário. 

Esta meditação tem a duração de uma hora e é dividida em quatro estágios de quinze minutos cada um. Como em todas as Meditações, a mudança das músicas determina a mudança de estágios.

Esta Meditação, como muitas outras do Osho, provoca um maior contato com o nosso corpo e nossos sentidos, diminuindo a excessiva concentração de energia em nossa cabeça. E estando mais no corpo, somos mais totais, mais reais, mais centrados em nossa própria energia, mais intuitivos, mais vivos...

Primeiro estágio: Chacoalho (15 minutos)

Em pé, com todo o corpo o mais solto possível, os pés separados de preferência a uma distância um pouco maior do que a distância entre os ombros, os joelhos um pouco flexionados e os olhos de preferência fechados, permita que seu corpo chacoalhe desde os pés até a cabeça. É como se alguém estivesse chacoalhando um tapete para que a poeira e a sujeira sobre ele fosse embora; analogamente, convide seu corpo a chacoalhar a partir dos pés e das mãos, que são as partes de nosso corpo que contêm o maior número de terminações nervosas.

De novo, durante o chacoalhar, procure deixar o corpo o mais solto possível. Seja a testemunha deste chacoalhar! A intenção aqui é permitir que o corpo chacoalhe por si mesmo, no seu próprio ritmo natural daquele momento; assim, pode ser um chacoalhar suave, de média intensidade, muito intenso... Varia, não só de pessoa para pessoa, de dia para dia, mas pode haver várias alterações de ritmo e forma mesmo durante os quinze minutos deste estágio.

O chacoalhar é livre, com total permissão de espontaneamente mudar, variar, alterar... Porém, ele deve acontecer durante todo este estágio, e sem tirar os pés do chão e sendo realmente um chacoalhar que venha dos pés até a cabeça, e não simplesmente mexer o corpo. Perceba: chacoalhar é diferente de mexer ou dançar!

Assim, em pé, você espera que o chacoalhar aconteça, e ele começando, permita-lhe total liberdade, e observe-o, acompanhe-o com a sua consciência, sem interferir e procurando estar o tempo todo consciente. Caso o chacoalhar não venha por si mesmo, no início podemos “fazer” com que o corpo chacoalhe, para então permitir que ele continue por conta própria.

Para pessoas mais tensas e reprimidas, talvez aconteça uma contenção da intensidade do chacoalho. Se esse for o caso, saiba que o corpo precisa desse chacoalhar, precisa jogar fora as tensões acumuladas, e o chacoalhar tem essa como uma de suas funções. Quanto maior a permissão para o corpo ser solto e livre, melhor!

Segundo estágio: Dança Livre (15 minutos)

Permita que o corpo dance espontaneamente. Agora os pés podem sair do chão e você pode dançar usando todo o espaço do ambiente onde você se encontra.

É melhor os olhos permanecerem fechados ou um pouco abertos quando o corpo se deslocar, a fim de evitar esbarrar em coisas ou pessoas, caso não esteja meditando sozinho.

Nesta dança, se estiver praticando a Meditação com outras pessoas, não interaja com ninguém. Não deve haver nenhuma preocupação quanto à estética da dança; lembre-se de que você não está dançando para ninguém ver, e sim permitindo que a energia de seu corpo tome as rédeas dos movimentos, valendo então qualquer movimento. A tônica aqui é a liberdade de movimentos!

Terceiro estágio: Imobilidade (15 minutos)

Neste estágio, permaneça imóvel, seja em pé ou sentado. Deixe que esta escolha de ficar em pé ou sentado aconteça no momento, e não com antecedência. Na verdade, quem escolhe é seu corpo, e não sua mente, e o corpo sempre escolhe aqui e agora. E ao ficar numa posição, mantenha-a até o final do estágio.

Como você vai ficar imóvel por quinze minutos, coloque-se numa postura confortável o suficiente para que a mantenha por todo este estágio e que ao mesmo tempo seja uma posição que lhe facilite estar atento; a coluna vertebral ereta e a cabeça alinhada com a coluna ajudam nisso.

Caso você sinta necessidade de se mexer para aliviar alguma dor ou tensão, tudo bem se mexer, mas faça-o com o máximo de consciência possível.

Durante todo este estágio, como em todos os estágios de todas as Meditações, esteja consciente do que estiver acontecendo dentro e fora de você! E lembre-se: em essência, a consciência sempre é neutra, imparcial, não julgadora; ela apenas testemunha!

Quarto estágio: Imobilidade e Silêncio (15 minutos)

Novamente permaneça imóvel, desta vez deitado com a barriga para cima. Não há música neste estágio, e após 15 minutos há o som de um gongo sinalizando o término da Meditação.

Neste estágio e nos estágios passivos de todas as Meditações, o estar consciente do momento presente tem o clima para atingir o clímax!

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Gibberish do Osho

 

Esta é uma Meditação imensamente importante dentro do universo do Osho. Os que a praticam regularmente relatam que ela os deixa muito mais leves, abertos, sensíveis, espontâneos e verdadeiros em suas vidas, além de se sentirem bem mais relaxados, silenciosos, presentes e centrados em quaisquer de suas atividades do cotidiano. Trata-se de uma verdadeira limpeza emocional!

Primeiro estágio: Gibberish

Este é um dos processos de liberação de tensões emocionais mais potentes. Ele consiste em falar de uma forma intensa e enfática uma língua que não tem nenhum sentido para nós, em soltar sons como se fôssemos loucos falando uma língua que não existe, permitindo que o corpo gesticule e se mova à vontade.

E não pare de falar, ou seja, não deixe que aconteçam espaços vazios; se isso começar a acontecer, imediatamente comece a falar, por exemplo, “blá blá blá”.

Atenção, trata-se de falar uma língua que não existe, portanto, NÃO vale falar palavrões NEM outra língua diferente de nossa língua natal, mas que de fato exista. Tudo o que falamos no Gibberish realmente não deve ter NENHUM sentido nessa ou naquela língua! Porém, com frequência acontece, e permita que aconteça, falarmos como se fôssemos, por exemplo, índios, alemães, russos ou japoneses, ou seja, com sotaque ou jeitão parecido com esses povos.

Lembre-se também de deixar que o corpo gesticule e se mexa em sintonia com o seu Gibberish; vale qualquer movimento! Para você ter uma ideia, o ideal, embora você não precise se mobilizar a chegar a esse ideal, é praticar essa Meditação em salas com o chão totalmente coberto por grossos tatames e com as paredes forradas em toda a volta também por grossos tatames fixados a ela, para que os participantes possam, por exemplo, esmurrar o chão ou a parede sem se machucarem. A ordem aqui é jogar fora todo o lixo mental e emocional acumulado por milênios!!!

Caso esteja praticando com outras pessoas, não se preocupe e não interaja com elas.

É melhor manter os olhos fechados, para poder entrar mais em contato com a sua energia interna; abra-os apenas para evitar esbarrar em coisas ou eventuais pessoas.

Lembre-se sempre de que o resultado de toda e qualquer Meditação depende essencialmente do quanto você se coloca INTEIRO na mesma! E lembre-se também: ser inteiro não significa ser sério... você pode fazer uma faxina com o espírito de brincadeira, mesmo se estiver esfregando com força o chão encardido...

Quanto ao tempo de praticar o Gibberish, depende de sua vontade e disponibilidade, podendo ser de um minuto a uma hora. Porém, é muitíssimo importante que você faça o segundo estágio pelo mesmo período de tempo. Por exemplo, para quinze minutos de Gibberish, permaneça também quinze minutos no segundo estágio de silêncio.

Acima foi descrita a parte “externa” do Gibberish, porém a parte “interna” é ainda muito mais importante. A parte “interna” é você manter-se perceptivo ao que estiver se passando com a sua voz, os seus sons, os seus gestos, os seus movimentos, os seus pensamentos, as suas emoções, a sua energia... Procure manter viva a sua perceptividade não julgadora!

Observação 1: o Gibberish pode ser praticado sem som de fundo ou com som de fundo e, nesse caso, pode ser usado qualquer som de fundo que de alguma maneira estimule esse falar maluco e ininterrupto.

Observação 2: nem toda expressão verbal sem sentido é considerada como Gibberish! No Gibberish, a expressão vem de uma fonte interna com certa carga emocional densa, mesmo se a expressão verbal for engraçada ou lúdica. Mas quando a expressão verbal vem de uma fonte interna sublime e profundamente delicada, que contenha algo de celestial em si, não se trata de Gibberish, e sim de Devavani.

Segundo estágio: Silêncio

Sem música de fundo, sente-se com os olhos fechados, com a coluna ereta e a cabeça alinhada com ela, em silêncio e imobilidade, desfrutando a quietude interior.

O ideal é que o tempo deste estágio de silêncio seja o mesmo do que o tempo do Gibberish.

Mergulhe no silêncio com plena consciência do que estiver presente no aqui e agora, como sensações corporais, respiração, sons externos, pensamentos, sentimentos... A única distração ou dispersão é embarcar em pensamentos, perdendo assim a atentividade à realidade presente, interna ou externa. Ocorrendo essa dispersão, assim que a notar interrompa os pensamentos ruminantes e volte a sua perceptividade ao que estiver acontecendo no momento presente, interna ou externamente!

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem! 

Meditação Dinâmica do Osho

 

Esta é a Meditação ativa do Osho mais famosa, e tem um forte elemento catártico (limpeza de cargas emocionais contidas).

O horário recomendado para praticá-la é ao amanhecer, embora possa ser praticada em qualquer horário.

Ela dura uma hora e tem cinco estágios; o primeiro, o segundo e o terceiro de dez minutos cada um, e o quarto e o quinto de quinze minutos cada um.

Primeiro estágio: Respiração Caótica (10 minutos)

De olhos fechados, por dez minutos respire sem parar pelo nariz o mais rápida, vigorosa e profundamente possível, dando especial ênfase à expiração e sem manter nenhum ritmo fixo ou previsível.

De uma maneira relaxada, todo o corpo deve estar envolvido com a respiração e, para isso, é importante que as pernas estejam mais abertas do que a largura dos ombros e os joelhos flexionados.

Permita que o corpo faça movimentos que intensifiquem ao máximo a respiração. Os braços se movimentando como um fole são um exemplo desses movimentos.

Permaneça o mais possível como a testemunha de todo o processo!

Segundo estágio: Loucura (10 minutos)

Expluda! Neste estágio, coloque toda a sua loucura para fora. Este é o momento de você se “descabelar”, de jogar fora todo o controle que sempre manteve em sua vida, porém sem perder a consciência! Seja conscientemente louco!

Deixe o corpo livre para fazer o que ele quiser (obviamente evitando causar danos a si mesmo, às pessoas e às coisas à sua volta), porém mantenha-o em movimento. Permita que o corpo pule, grite, cante, faça Gibberish, role pelo chão, sacuda-se, chore, ria, dê murro no ar, chute, enfim, permita que ele faça qualquer maluquice.

Se você estiver um pouco “frio” no começo, represente um pouco para “esquentar” e, depois, deixe que os movimentos e os sons continuem por si.

Abra os olhos apenas para evitar esbarrar em coisas ou eventuais pessoas. Se o ambiente em que você estiver não permitir gritos, solte então sons altos o bastante para não perturbar a vizinhança.

Aqui, não estamos criando loucuras, e sim pondo para fora as loucuras que já existem em nós e que na maioria das vezes nem nos damos conta. Em nossa vida, normalmente a consciência está associada ao controle, à repressão; aqui, a consciência deve estar associada à total liberdade.

Mantenha-se consciente de tudo o que estiver acontecendo!

Terceiro estágio: Enraizamento (10 minutos)

Não importa qual o processo emocional que você esteja passando no final do segundo estágio, ao sinal de mudar para o terceiro com a mudança da música, simplesmente interrompa o segundo estágio e comece o terceiro imediatamente!

Neste terceiro estágio, fique de olhos fechados e salte mais ou menos no mesmo lugar caindo sobre toda a planta dos pés, inclusive os calcanhares, e soltando o mantra “Hoo!” toda a vez que os pés encostarem no chão, como um martelar, e permita que esse som saia forte e alto de seu centro sexual. Cuidado para não se desviar da exata pronúncia deste som, que em português é “Ru!”.

De maneira nenhuma pare de saltar; dê tudo o que puder, vá até a exaustão total.

Novamente, se o ambiente em que você estiver não permitir que você solte o som “Hoo!” alto, solte-o então na altura suficiente para não perturbar a vizinhança.

Os braços devem estar erguidos o mais alto que você conseguir, mantendo os ombros e o pescoço relaxados e os cotovelos soltos.

Como em todos os estágios, mantenha-se consciente de tudo o que estiver acontecendo, inclusive do que se passa em sua mente, como eventuais reclamações, por exemplo. Não se identifique com nada, mantendo-se apenas como o observador neutro!

Quarto estágio: Imobilidade Total (15 minutos)

Ao ouvir a palavra “Stop”, pare imediatamente onde estiver e na postura em que estiver, sem ajeitar o corpo. Não se mexa! Permaneça absolutamente “petrificado” por quinze minutos; portanto, se você sentir vontade de coçar, tossir, espirrar ou qualquer outra coisa, não a faça!

A imobilidade total neste estágio é muito importante para que a energia que foi mobilizada nos estágios anteriores suba até os centros energéticos superiores!

E se estar consciente, presente e atento nos estágios anteriores é importante, neste estágio é ainda mais importante! Seu corpo está imóvel, mas a sua consciência deve estar mais viva do que nunca.

E como sempre e sempre, mantenha a sua percepção aberta ao que estiver acontecendo no momento, e havendo pensamentos em sua mente, perceba-os também, mas não lhes dê importância, não se identifique com eles!

Nesta Meditação, este é o único estágio que não tem nenhum som de fundo.

Quinto estágio: Celebração (15 minutos)

Dance espontaneamente, celebre! Lembre-se, a celebração é uma das qualidades espirituais mais importantes.

Não se preocupe com nenhuma estética ou padrão de dança; deixe seu corpo livre para se movimentar como quiser. Abra os olhos apenas para evitar esbarrar em coisas ou eventuais pessoas.

Desfrute, curta, tenha prazer e leve esta Presença e vitalidade com você durante o dia inteiro!

E lembre-se, para que haja benefícios progressivos com as meditações, é importante que as desfrute diariamente, sejam elas quais forem!